sábado, 24 de março de 2012

81 Anivesrsários ! ! !

No dia 20 de março oitenta e um municípios gaúchos festejam 20 anos de emancipação política. Dentre esses estive em Sentinela do Sul, capital gaúcha do Arroz Cachinho. Escrevendo dessa cidade, homenageio as demais, vejam a relação no Livro-Agenda Gaúcha.


A formação do povoado hoje cidade de Sentinela do Sul, a rigor teve inicio em 1819 em torno da construção de uma capela, que teve autorizada de ser erigida em 1817, que comprova já ter o lugar núcleo social. De lá para cá nesse centro de interesse religioso – naturalmente surgiu foco econômico e político, originando a freguesia de Nossa Senhora das Dores de Camaquã, que logo foi distrito de Triunfo e de Porto Alegre, até que em 1857 fora elevada a categoria de Vila autônoma, encampando as freguesias de São João e Barra do Ribeiro, funcionando com uma Câmara Municipal. É bom que salientemos que no regime imperial ás vilas tinham autonomia política. Porém em 1861 a vila extinta, volta a ser freguesia e junto da freguesia de São João Batista, Dores de Camaquã, passa a pertencer a Porto Alegre. Porém em 1875 Dores do Camaquã retoma sua autonomia municipal, destacando-se como defensora do regime republicano, em 1888, seus líderes são perseguidos e é suspensa a Câmara de Vereadores, e só em 1911, retoma pela terceira vez sua autonomia, até que em 1929 passa a fazer parte do território de Tapes, emancipando-se definitivamente em 1992, justamente no Dia da Agricultura.
Dessa agricultura parceira da pecuária taxada de produção primária que por todos os motivos devia ser chamada de produção fundamental. Afinal o homem vive sem carro, sem avião, sem internet, sem chips, sem celular, sem CDB, RDB, mas não vive sem o que o campo produz e Sentinela como os demais municípios de aniversário, nesse dia, vivem dessa realidade.


Sinceramente creio que a expressão primária a produção rural, não ajuda em nada sua imagem, faz com que o homem urbano, que gasta polpudas verbas de seu salário em modismos, psicologicamente está programado para gritar quando sobe a carne, o leite, o pão o arroz o feijão, porque é primário, não os enxergando como produto fundamental, desvalorizando assim o suor e a luta dos campeiros.


Assim sugiro a todas as correntes produtivas do campo que passem a denominarem sua produção de FUNDAMENTAL, para que o povo e nossos mandantes políticos acordem, e valorizem o que campo produz mais do que as quinquilharias metálicas das cidades, dispensáveis a vida, em favor do que realmente a humanidade precisa para viver.


Para pensar: Uma economia não pode ser lastrada em comoditis e sim, no que se nutre o corpo e a alma humana.

ATENÇÃO > Adquira nossa AGENDA GAÚCHA 2012 / peça também o CD - DOROTÉO FAGUNDES - 25 ANOS DE GAUCHISMO – Vol. 1, a venda na CAMPESINA – Feira Permanente de Produtos Regionais Gaúchos / fone 51-3212.2731 – ou por e-mail tarca@tarca.com.br.

Até a próxima edição; domingo prosearemos, das 6 às 9 horas da manhã, no Programa Galpão do Nativismo da RÁDIO GAÚCHA - AM; e no Programa Gauchesco & Brasileiro em mais 60 emissoras de rádio na Região Sul do Brasil. Apoio: PLANALTO – Transportando Cultura

Obs. Esta matéria também está na internet nas páginas:

http://www.tarca.com.br/;
http://www.buenas.com.br/;
http://www.cybergalpao.com.br/;
http://www.chasquepampeano.com.br/;
http://www.jornalabcreporter.com.br/;
www.ctgraizesdosul.com.br/chasquito;
http://www.ocariucho.com.br/;
http://www.conjuntomusicalospampeiros.blogspot.com/;
http://www.sitiodogauchotaura.blogspot.com/;

CONTATE conosco > fones (51) 3499.2439 / 3499.2473 - Endereço: Rua Dona Martha, 424 CEP: 92.990-000 / Eldorado do Sul / RS - BR / E-mail > tarca@tarca.com.brhttp://www.tarca.com.br/.

Fonte! Coluna Regionalismo nº 493, por Dorotéo Fagundes de Abreu, do dia 21 de março de 2012.