domingo, 23 de fevereiro de 2014

Momento da Cultura Regional 6! O maior evento gauchesco do mundo!

Terminado mais um Rodeio Internacional da Vacaria podemos concluir que a 30ª edição reafirmou a condição de "Maior Evento Gauchesco do Mundo" pois, outras grandes festividades do gênero, mesmo no Uruguai e na Argentina não tem o volume e a variedade de atrativos e competições artísticas e campeiras, como o de Vacaria.

Por estar trabalhando na avaliação de Declamadores Masculinos, onde ouvi mais de 150 recitadores, não tive muito tempo de valde para analisar outras categorias, mas sempre que pude dei uma volteada por lá. Embora recebendo convites de vários amigos, os quais agradeço, só não fui na área de acampamento, que sempre foi grande mas, agora, aumentou em 40%.

Cavalgadas com destino ao rodeio, foram mais de 30. Houve, inclusive, um campeonato de laço só para quem fez cavalgadas. Os laçadores dos Cavaleiros da Paz, que foi comandado pelo cantor Elton Saldanha logrou-se vencedor.

Em relação a parte campeira, onde, como já disse, pouco compareci, notei uma coisa: O tiro de laço realmente não é um atrativo para o grande público. Sempre que por lá estive, nas horas dos laçadores, as arquibancadas estavam praticamente vazias. É uma modalidade que envolve mais os próprios concorrentes e alguns familiares. Ao contrário, as domas são motivos de lotar as arquibancadas.

Deve-se reconhecer, entretanto, que o tiro de laço é o que sustenta qualquer rodeio e, em se tratando de laçadores, Vacaria bate verdadeiros recordes de inscrições. Na canha da ferradura, bem iluminada eles adentram a noite jogando cordas.
Nestas modalidades campeiras de doma e de laço as comissões enfrentaram alguns senões que foram da exclusão de laçadores por mau tratos aos animais até divisões de prêmios na doma devido a protestos de ginetes, fato que não agradou aos assistentes, inclusive sendo motivo de vaias. Até a justiça vacariana foi acionada para resolver algumas pendengas.

Quando digo que Vacaria realiza a maior festividade gauchesca do mundo é porque acoberta todos os gêneros, que vão do campeirismo ao artístico passando, por aí, a realização de um grande festival: Cante Uma Canção Em Vacaria, que nesta edição teve como vencedor uma canção de autoria de Dionísio Costa e Rico Basquera e que presta uma homenagem ao saudoso José Mendes, ao completar 40 anos de sua morte. Tive a honra de, num universo de mais de trezentas concorrentes, também ficar entre as seis primeiras classificadas, fato que agradeço ao Volnei Gomes e grupo por tão prestimosa ajuda.

Em relação aos espetáculos, foi um melhor do que o outro. Não assisti a todos, mas dos que vi destaco o grande show de Pedro Ortaça. Pude reparar que, ao lado de Gildinho dos Monarcas, este missioneiro é um dos artistas mais cativantes do Rio Grande pois sempre que o telão focava em Gildinho, o público ovacionava. Na apresentação de Pedro Ortaça, faltou espaço para a gente se mexer naquele imenso auditório ao ar livre, bem como pelas ruas laterais. Me falaram que o show de Cesar Oliveira, Rogério Melo e Joca martins, foi da mesma estirpe.

Na parte artística, a organização esteve muito boa. Como citei lá por riba, fui avaliador, ao lado da Silvana Giovanini e do Wilson Araújo, da Declamação Masculina, com mais de 150 concorrentes. Nunca ouvi tanta poesia em minha vida. Por isso, reafirmo que o Rio Grande do Sul é o Estado mais poético da federação. E o mesmo aconteceu em trova, pajada, chula, gaita, invernadas... Comida boa, pouso excelente, pagamento em dinheiro aos avaliadores e premiados, enfim, uma senhora festa gaúcha.

Como diria aquele apresentador que todos tem saudade "até 2016, gaúchos e gaúchas de todas as querências".


Fonte! Chasque de fundamento de autoria de Léo Ribeiro de Souza, publicado no seu sítio Blog do Léo Ribeiro. Abra as porteiras clicando em www.blogdoleioribeiro.blogspot.com
................................
Abordamos este tema no programa Gritos do Quero Quero do dia 15 de fevereiro de 2014, no "Momento da Cultura REgional".