quinta-feira, 8 de novembro de 2012

AOS FERROVIÁRIOS

No dia 31 de outubro é o Dia do Ferroviário e o poeta De Bem Osório um dia escreveu: A coisa mais linda que Deus pôs na terra, foi o apito de trem…

Eu bem me lembro quando guri em Uruguaiana, que sempre que ouvia o apito do trem ao longe, sai correndo para a rua, para vê-lo passar, abanar para o maquinista e contar os vagões. O maquinista era um homem maduro, cara envelhecida que nos olhava com um sorriso no canto da boca, numa expressão de cansaço e por certo de alívio, depois de ter passado a noite inteira ou o dia inteiro naquela janela que nunca a vi fechada, nem no inverno e nem em dias de chuva, a percorrer distâncias da fronteira a capital.

Tinha o trem passageiro e o de carga, o passageiro – cruzava mais rápido, mas dava para ver os viajantes mexendo no bagageiro, pegando as sacolas, pois a estação estava muito próxima e por certo a ansiedade de chegar, rever amigos, parentes era grande. Já o trem de carga – passava mais lento, às vezes com duas máquinas, uma na frente e outra no fim, empurrando a comitiva ou comboio que era formado alguns de vários tipos de vagões para carga, tinha vagões de gado, graneleiro, containers, tanques que vinham com petróleo para a destilaria rio-grandense, que deu origem a Ipiranga, e outros que iam ou vinham da Argentina.

Os trens argentinos eram maiores que os nossos e de banda mais larga, por certo mais estáveis, alguns eram perfumados quando cheios de maças, cheiravam a cebola ou a alho, e cumpriam o mesmo ritual dos trens brasileiros, iam e vinham atalhando a cidade, no balanço com o som das rodas nos trilhos, tataque, tataque, tataque, tataque, cortado quando em vez por um apito longo.

Há que saudade daqueles tempos de guri, que olhavam nos trens o destino, o despertar curioso de querer saber o que tinha no lugar de onde vinham! Mas logo que eles passavam esse querer desaparecia e tudo voltava ao normal, corríamos para o pátio de casa para continuar outra brincadeira ou terminar a missão que a mãe nos tinha dado, varrer, limpar, ajeitar, carpir na volta da casa e isso nunca nos tirou pedaço, nos fez homem.

Hoje os trens estão desaparecidos, as estradas estão crivadas de caminhões, carros e buracos, sobram trilhos, porque a política preferiu assim, mas sinto que a qualquer dia, voltaremos a ouvir os apitos dos trens nos campos, nas cidades, levando e trazendo as pessoas, a nossa produção e com certeza, outros gurizes como eu fui, correão para vê-los passar, deitarão a cabeça nos trilhos para ouvir se o trem está na linha e acenarão aos novos maquinistas, alegres na janela por viverem transportando a vida.

Para pensar: Como conclui o poema do De Bem Osório, “a vida é um vagão e nós somos os passageiros”.
 

ATENÇÃO: Adquira nossa AGENDA GAÚCHA 2012 / peça também o CD – DOROTÉO FAGUNDES – 25 ANOS DE GAUCHISMO – Vol. 1, a venda na CAMPESINA – Feira Permanente de Produtos Regionais Gaúchos / fone 51-3212.2731 – ou por e-mail tarca@tarca.com.br. Até a próxima edição; domingo prosearemos, das 6 às 9 horas da manhã, no Programa Galpão do Nativismo da RÁDIO GAÚCHA – AM; e no Programa Gauchesco & Brasileiro em mais 60 emissoras de rádio na Região Sul do Brasil. Apoio: PLANALTO – Transportando Cultura.

Obs. Esta matéria também está na internet nas páginas:
http://www.tarca.com.br/ 
http://www.buenas.com.br/;  
http://www.cybergalpao.com.br/
http://www.chasquepampeano.com.br/   
http://www.jornalabcreporter.com.br/   
www.ctgraizesdosul.com.br/chasquito

http://www.ocariucho.com.br/;


http://www.sitiodogauchotaura.blogspot.com/ 

CONTATE conosco > fones (51) 3499-2439(51) 3499.-2473. Endereço: Rua Dona Martha, 424 CEP: 92.990-000 / Eldorado do Sul / RS - BR / E-mail > tarca@tarca.com.br;  http://www.tarca.com.br/.

 Fonte! Coluna Regionalismo por Dorotéo Fagundes de Abreu, do dia 01 de novembro de 2012.
 
.........................
 
Chasque utilizado no espaço MOMENTO DA CULTURA REGIONAL, no Programa Gritos do Quero Quero do dia 03 de Novembro de 2012.